sábado, 6 de fevereiro de 2010

Abelhas melíponas trabalham duro para enfrentar inverno

Elas são fortes por natureza. aliás,são a razão da existência de toda a beleza natural de flôres e frutos nas florestas nativas. Afinal são as abelhas indígenas que polinizam milhares de flôres todos os dias em nossos fragmentos de floresta na APP-Tarumã. Sem elas as floradas não produziriam frutos e a floresta morreria.

Abelha Jandaíra
Mas elas estão aqui, aju dando os buritizeiros, os cacoeiros nativos, as ingás, as caramboleiras, os najás, as bacabeiras, os cedrinhos, os amapazeiros-nativos de nossa APP- a produzir uma carga recorde de flores e agora de frutos.

Mostramos em vídeo e fotos o trabalho destes animais da micro-fauna da APP, coletando barro na margem do Igarapé Água Branca, para calafetar suas colônias, impedindo que a chuva e o vento penetrem no interior dos ninhos.

abelha trigona

Minha gente! É preciso muita consciência e mudança de raciocínio para compreendermos que derrubando uma simples árvore, milhares de micro-animais simplesmente vão desaparecer. E no caso das abelhas indígenas, o desaparecimento significa também a  morte da floresta. O homem é tão distraído que não liga para nada que seja pequeno e com isso acaba causando grandes e muitas vezes irreversíveis impactos à cadeia simbiótica da vida. 

Vamos mudar este conceito! Já está passando da hora. Participe conosco da luta pela conservação do último Igarapé vivo e de seus fragmentos de florestas de entorno. Manaus vai sediar jogos da Copa do Mundo. Que tipo de meio ambiente vamos mostrar para nossos visitantes. Onde estão nossos parques? Onde estão nossas florestas conservadas próximas da cidade? A resposta é: Aqui na APP-Tarumã, a varanda da casa que chamamos Manaus.  

Technorati Marcas: trigonas,abelhas,coleta,igarapé,água branca,barro,ninho,natureza,meio ambiente

Um comentário:

Delfino disse...

Abelhas bonitas, sadias, trabalhadoras e nativas. Verdadeiras buriladoras dos ambientes naturais.
Acredito que o ato de trabalhar com abelhas poderá se transformar em atrativo para o turismo de experimentação e é claro para estudos educacionais e a ciência.
A idéia e que o indivíduo vivêncie interpretando as atividades relacionadas a conservação das abelhas em cativeiro e na floresta no que poderá representar em um determinado tempo uma fonte direta de riqueza nutritiva e científicA e ambas para um número limitado de apreciadores.
a outra idéia tem relação com a qualidade do mel e não com a quantidade de produção econômica
que o mel nativo seja um difencial para defesa e conservação do Tarumã - Acú e do igarapé das Águas Brancas

Roberto Delfino - ONG - SALUTARMA
pesquisador INPA/UFAM